Modelo passou por testes entre 2009 e 2014

(ANSA) – Cientistas de Itália, Estados Unidos, Nova Zelândia e Japão desenvolveram um sistema que “prevê” a ocorrência de terremotos.

Os primeiros testes do modelo, realizados pelo Laboratório para Estudos de Previsibilidade de Terremotos (Csep), foram publicados na revista “Seismological Research Letters”, nesta quarta-feira (13), com resultados positivos.

“Não temos a capacidade de dizer se haverá um terremoto amanhã, mas podemos calcular a probabilidade”, explicou à ANSA o sismólogo Warner Marzocchi. Os experimentos foram conduzidos pelo Csep em quatro lugares do mundo, através do uso de estatísticas e bancos de dados, estabelecendo um modelo comparativo entre os locais e o período de estudo, de 2009 e 2014.

Se a probabilidade de um terremoto “é de 5%, isso significa que, em média, a cada 20 vezes que houver uma determinada condição, acontecerá um terremoto”, esclareceu Marzocchi. Foram analisados, inclusive, os sismos ocorridos na Itália em 2012, que afetaram principalmente a região da Emília-Romana e deixaram dezenas de mortos. E, como futura comparação, serão utilizados os terremotos que atingiram o centro do território italiano em 2016, com 299 vítimas. “O confronto entre as previsões e os dados observados permite estabelecer um modelo mais eficiente”, disse Marzocchi.

“Graças ao Csep, foi possível levar a um âmbito científico todas as discussões sobre as previsões de sismos”.