Após 21 anos de um incêndio devastador, a Capela do Sudário, em Turim, na Itália, será reaberta ao público em setembro, depois de uma longa e difícil restauração

A arquitetura barroca do italiano Guarino Guarini fará parte do itinerário dos Museus Reais de Turim. A cerimônia de abertura está marcada para o dia 27 de setembro, às 9h, no Teatro Regio, e contará com a presença do ministro dos Bens Culturais da Itália, Alberto Bonisoli.

Após a inauguração, a Capela do Sudário ficará aberta ao público entre os dias 28 e 30 de setembro com ingressos pelo valor de 3 euros. Somente a partir do dia 2 de outubro, o acesso será permitido apenas com o bilhete dos Museus Reais.

A restauração do local foi financiada pelo Ministério dos Bens Culturais, com apoio das fundações “Compagnia di San Paolo” e “La Stampa-Specchio dei Tempi”, da Consulta para a Promoção do Patrimônio Artístico e Cultural de Turim, além das empresas IREN e “Performance in Lighting”.

O Sudário

Catedral de Turim

A Catedral de Turim é o principal templo da Igreja Católica Romana em Turim, norte da Itália. É especialmente famosa por ser o local de guarda do Santo Sudário.

Dedicada a São João Batista, foi construída entre 1491 e 1498. A igreja fica no local se localizava o teatro da antiga cidade romana. A área sagrada cristã original incluía três igrejas, dedicadas a São Salvador, Santa Maria de Dompno e São João batista, a principal.

A catedral é o lugar do enterro do Beato Pier Giorgio Frassati (1901-1925), natural de Turim, atleta e benfeitor dos pobres, chamado o “santo para os jovens do Terceiro Milênio”.

O sudário, apesar de não estar a mostra, fica guardado em uma urna de alumínio na capela do sudário (cappella della sindone) dentro da catedral de Turim, a igreja de São João Batista. Porém, há uma cópia do sudário exposta na igreja São Lorenzo.