Ex-jogador é acusado de associação com a máfia

Campeão da Copa do Mundo de 2006 pela Itália e com passagens por times como Juventus e Udinese, o ex-jogador Vincenzo Iaquinta foi condenado a dois anos de prisão por porte ilegal de armas. A decisão cabe recurso, e ele responderá em liberdade enquanto todas as instâncias não forem esgotadas – essa foi a primeira.

Em dezembro de 2015, Iaquinta foi indiciado e uma das acusações era a de associação com uma máfia italiana. No entanto, ele foi inocentado no julgamento desta quarta (31). A corte entendeu, contudo, que seu pai, Giuseppe, prestava serviços à “Ndrangheta”, que é uma máfia da região de Calabria. Giuseppe foi condenado a 19 anos de prisão.

Em sua defesa durante o julgamento, o ex-jogador reconheceu que as armas estavam, sim, na sua casa. Mas disse que elas pertenciam ao seu pai.

– Isso é uma vergonha – disse Iaquinta a repórteres na saída da corte. – Estão arruinando minha vida enquanto eu não fiz nada. Estou sofrendo como um cão nesses últimos anos, assim como minha família e meus filhos. Estão dizendo que sou culpado porque sou de Calabria, mas eu venci uma Copa do Mundo. A justiça será feita para nós.

Ex-centroavante de sucesso no futebol italiano, Iaquinta está aposentado desde julho de 2013. Ele conquistou a Copa do Mundo de 2006 pela Azzurra.