A máxima autoridade anticorrupção italiana advertiu na quarta-feira (10) sobre a possibilidade de que a máfia se infiltre na reconstrução do viaduto que desabou em Gênova em agosto, com um balanço de 43 mortos

Os planos oficiais são de acelerar a reconstrução, deixando de lado etapas e regras de controle, o que “implica saltar o código antimáfia”, explicou o presidente da autoridade anticorrupção, Raffaele Cantone, ante uma comissão legislativa.

“Há muitas atividades relacionadas com a reconstrução, desde as escavações até a eliminação de escombros, que as empresas da máfia, infelizmente, conhecem muito bem”, afirmou.

O viaduto que desabou em agosto em uma das principais vias da cidade destruiu vias ferroviárias e provocou um escândalo nacional.

As críticas se centram agora na lentidão no processo de reconstrução, mas Cantone advertiu que atribuir a concessão das obras sem licitação pública pode favorecer o crime organizado.

A máfia “busca maneiras de infiltrar” a região de Liguria, e, por isso, é imprescindível “uma barreira verdadeiramente alta contra esse risco”, disse o magistrado.

(AFP)