O simpósio organizado pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, sob o título de “Perspectivas para um mundo livre de armas nucleares e desarmamento integral”, apresentou um documento preliminar a respeito do tema tratado na reunião de dois dias no Vaticano.

Participantes

Líderes políticos, religiosos, vencedores do Nobel e representantes da sociedade civil participaram deste evento entre os dias 10 e 11 de novembro, cujo pronunciamento final foi feito pelo Cardeal Peter Turkson, Prefeito do Dicastério do Vaticano. O cardeal leu as conclusões preliminares e traçou as linhas do futuro compromisso para o desarmamento, o desenvolvimento e a paz.

O documento

Este documento condena o uso de armas nucleares e pede redução integral do uso de armas nucleares pela grandes potências militares do mundo. “São instrumentos de guerra indiscriminados e desproporcionais”, afirma o texto, que aponta ainda para os efeitos negativos e graves na atmosfera e nos oceanos decorrentes dos testes efetuados com estas armas.

As despesas excessivas com armas nucleares também é outro detalhe apontado pelo texto, pois se trata de um desperdício de recursos necessários para enfrentar as causas profundas dos conflitos e promover o desenvolvimento e a paz.

O Cardeal Tukson apontou ainda que “o desarmamento nuclear é um problema global que requer uma resposta global”. Como já dito pelo Papa Francisco, “a crescente interdependência e globalização implicam que toda resposta à ameaça das armas nucleares deve ser coletiva e concertada, baseada na confiança mútua”.

“O diálogo é essencial, um diálogo que deve ser inclusivo, envolvendo Estados nucleares e não-nucleares, a sociedade civil, organizações internacionais, governos e comunidades religiosas. Em particular, a Igreja Católica está engajada em promover este diálogo em todos os níveis”, reiterou o cardeal.