Os índices acionários europeus tiveram uma sessão agitada nesta terça-feira, 9, fechando em alta e acima de suas mínimas de seis meses, uma vez que as preocupações com uma possível divergência na Europa em relação aos planos orçamentários da Itália diminuíram e as ações de energia deram sustentação.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,34 por cento, a 1.467 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,19 por cento, a 373 pontos, maior nível desde abril.

No início do pregão, os índices europeus registraram ganhos, refletindo um ganhos nas ações chinesas, mas a situação se inverteu à medida que os bancos italianos passaram a recuar.

Os rendimentos dos títulos italianos recuaram depois de um discurso ao Parlamento do ministro da Economia, Giovanni Tria, e ajudaram o setor bancário da zona do euro a se recuperar e subir 0,9 por cento.

Mais cedo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou suas previsões de crescimento econômico global para 2018 e 2019, dizendo que as tensões na política comercial e a imposição de tarifas de importação estão afetando o comércio mundial.

O índice de petróleo e gás registrou os maiores ganhos setoriais, avançando 1,5 por cento, depois que os preços do petróleo subiram conforme surgiam mais evidências de que as exportações do Irã estavam caindo.

A empresa de serviços petrolíferos SBM Offshore subiu 6,9 por cento após a Kepler Cheuvreux ter elevado o rating das ações para “comprar”, enquanto as empresas italianas Saipem e Eni avançaram 3,3 e 2,6 por cento, respectivamente, após a mesma corretora ter aumentado seu preço alvo.

(Reuters)